Defesa do Consumidor exige multa diária à AM Energia

Foto: Mauro Smith

A Força-tarefa de Defesa do Consumidor vai ajuizar, neste final de semana, uma Tutela de Urgência para exigir multa diária para a empresa Amazonas Energia, caso a concessionária não forneça energia suficiente para que as bombas d’água encham os reservatórios de água de Iranduba (27 km de Manaus) e Manacapuru (68 km). A ação também obriga a empresa a disponibilizar caminhões-pipa para atender tanto a população urbana quanto a rural dos dois municípios.

A decisão é uma resposta ao descumprimento da Amazonas Energia à recomendação da Força-tarefa, protocolizada no último dia 23, para que fosse restabelecido, em 48 horas, o fornecimento imediato de energia elétrica para as linhas de transmissão que atendem as bombas de fornecimento de água nas cidades de Iranduba e Manacapuru. A recomendação também incluía a normalização do fornecimento da energia elétrica dos municípios, em até 48 horas.

Há sete dias, mais de 200 mil pessoas dos dois municípios sofrem com a falta de energia elétrica e, consequentemente, de água, serviços considerados essenciais e que não podem sofrer interrupções.

Foto: Mauro Smith

“Promovemos uma Audiência Pública para dar à empresa a oportunidade de esclarecer e discutir com a população as ações em andamento para resolver o problema. Infelizmente, a Amazonas Energia não enviou nenhum representante. Desta forma, decidimos acionar a Justiça para a concessionária cumpra com suas responsabilidades, sob pena de multa”, afirmou o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (CDC/Aleam), deputado estadual João Luiz (PRB), ao acrescentar que as pessoas não podem mais padecer com a falta dos serviços essenciais.

O defensor Thiago Rosas, da Defensoria Pública Especializada em Atendimento de Interesses Coletivos (DPEAIC), explicou que, hoje, apesar de todos os prejuízos acumulados nas duas cidades, a prioridade da força-tarefa é o restabelecimento de energia e água nas duas cidades. “Estamos cobrando da empresa que as bombas d’água sejam energizadas o suficiente para que encham as caixas d’água e garantam a reativação do fornecimento de água nas duas cidades. Esse é ponto inicial e principal da Audiência Pública realizada, hoje, na cidade de Iranduba”, destacou Rosas.

Para o promotor a Otávio Gomes, da 51ª Promotoria de Defesa do Consumidor (Prodecon), a ação se faz necessária em face do descaso da Amazonas Energia com a população. “A empresa, sequer, enviou um representante para ouvir a população e até mesmo os órgãos que se encontravam presente. Sendo assim, vamos acionar a Justiça contra a empresa e exigir o restabelecimento dos serviços”, disse.

Audiência Pública

Na manhã desta sexta-feira (26), foi realizada uma Audiência Pública que contou com a participação do presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (CDC/Aleam), deputado estadual João Luiz; do defensor público Thiago Rosas, da Defensoria Pública Especializada em Atendimento de Interesses Coletivos (DPEAIC); do promotor Otávio Gomes, da 51 Promotoria de Defesa do Consumidor (Prodecon) e do gestor da Procon-AM, Jalil Fraxe, além de líderes comunitários, moradores, agricultores e comerciantes dos dois municípios. A Amazonas Energia foi convidada, mas não enviou nenhum representante. Por três horas, foram discutidos os problemas enfrentados pelo apagão em decorrência do apagão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui