Depressão pós- Carnaval é natural e passageira, diz psicóloga

Bate um sentimento de infelicidade e falta coragem para voltar à rotina/Foto: reprodução/Internet

Maíra Mendes explica diferenças entre tristeza e depressão real.

O Carnaval é aquela época do ano em que não falta música, diversão e descontração por onde quer que se vá. Blocos e desfiles animam o povo, que aproveita pra extravasar a energia acumulada o ano inteiro.

Mas e quando a folia acaba? Bate um sentimento de infelicidade e falta coragem para voltar à rotina. Muitos já até deram nome ao problema: depressão pós- Carnaval.

De acordo com a psicóloga e coach Maíra Mendes, da clínica Onmental Espaço Terapêutico, a ocasião funciona como uma válvula de escape para fugir da realidade. “A pessoa se entrega à festa e dias depois precisa encarar a realidade. Fica uma sensação de vazio, uma melancolia, o que é normal depois de tantos excessos”, explica.

Maíra aconselha aos foliões mais tristes com a despedida do Carnaval que avaliem quais as razões de se sentirem tão mal. “O sentimento de tristeza é normal e faz parte da vida, afinal sempre podem existir problemas ou situações que nos deixam abatidos no nosso cotidiano. Não dá para ser feliz o tempo inteiro”.

Bate um sentimento de infelicidade e falta coragem para voltar à rotina/Foto: reprodução/Internet

A psicóloga ressalta que depressão e tristeza não são a mesma coisa. Geralmente a tristeza é passageira, tendo um período curto de duração, e não requer tratamento. Já a depressão é um transtorno que afeta o humor, na qual a pessoa tem a sensação persistente de tristeza não importa a ocasião. Ela ultrapassa o período de duas semanas, e é acompanhada de uma variedade de sintomas físicos e comportamentais.

De acordo com o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado em 2015, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão na América Latina, sendo que, 5,8% da população, ou seja, 11,5 milhões de brasileiros, sofrem da doença. No ranking mundial, o Brasil ocupa o terceiro lugar. A lista é encabeçada pela Ucrânia (6,3%) e seguida por Austrália e Estônia na segunda posição, ambas com 5,9%. Na Alemanha, a depressão atingiu 5,2% da população em 2015.

Sintomas

Perda de energia, falta de vontade para realizar atividades que davam prazer e cansaço constante podem ser indícios da doença. Além disso, pode ocorrer alterações no apetite, o que causa aumento ou perda de peso, e dificuldade em dormir, porque ocorre diminuição da serotonina, que é o hormônio do prazer e do bem-estar.

Irritabilidade, ansiedade, dificuldade de concentração, lentidão no pensamento e na fala, dores de cabeça, coluna e estômago também sintomas muito relatados por quem sofre de depressão.

O ideal, em casos assim, é buscar a ajuda médica e psicológica, como a oferecida pela Onmental Espaço Terapêutico. A clínica possui uma equipe multidisciplinar formada por profissionais especializados em psiquiatria, fisioterapia, psicologia, dentre outras áreas, que cuidam do corpo e da mente com uma visão holística, ou seja, como um todo.

No entanto, a resistência em procurar ajuda em saúde mental existe e está arraigada na sociedade. Ela pode ser explicada, em parte, pelo preconceito contra as pessoas que têm transtornos. A psicofobia carrega uma herança de séculos de discriminação contra os doentes mentais ao longo da história.

Porém é muito importante frisar que, cuidar da mente é sinal de lucidez e busca pelo bem-estar. “Hoje a psicoterapia, por exemplo, é desenvolvida para apoiar o ser humano em um processo de transformação e entendimento de sua própria essência. Ela serve para qualquer pessoa que deseja cuidar de si mesmo”, diz Maíra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui