Militares do governo Bolsonaro não gostaram da anulação das condenações de Lula

Militares bolsonaristas consideram ruim anulação das condenações de Lula na Lava Jato - foto: recorte/247

Militares do governo Jair Bolsonaro consideraram que o fato de que Lula possa concorrer e eventualmente retomar o poder não seria bom para o país.

Militares do governo Jair Bolsonaro consideraram ruim a anulação das condenações de Lula na Lava Jato, “porque avaliam que o ex-presidente é culpado das acusações de corrupção e que o fato de que ele possa concorrer e, mais do que isso, eventualmente retomar o poder, não seria bom para o país”, segundo reportagem da CNN.

Conforme confessou o próprio general Villas-Bôas, a alta cúpula das Forças Armadas participou ativamente das ameaças feitas ao Supremo Tribunal Federal (STF) no dia em que o STF julgava o habeas corpus de Lula e decidiu manter o ex-presidente preso.

Na ocasião, o general publicou um Twitter, elaborado pelo conjunto do alto escalão militar, para pressionar a Corte contra Lula. “O país teria de decidir se quer mesmo um governo de esquerda de novo”, afirmou um ministro militar à CNN.

Fachin anula condenações de Lula na Lava Jato

Fachin anulou nesta segunda-feira, 8, todas as condenações contra o ex-presidente Lula, proferidas pelo ex-juiz Sérgio Moro e pela juíza Gabriela Hardt no âmbito da Operação Lava Jato.

Ele concedeu habeas corpus para declarar a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar quatro processos que envolvem Lula –o do triplex, o do sítio de Atibaia, o do Instituto Lula e o de doações para o mesmo instituto.

Na decisão, Fachin declara a “nulidade” dos atos decisórios, inclusive do recebimento das denúncias contra Lula.

O habeas corpus agora contemplado por Fachin foi apresentado pelos advogados Cristiano Zanin e Valeska Martins em 3 de novembro de 2020.

Com a decisão do ministro do STF, o ex-presidente Lula volta a ser elegível. Todo o cenário político muda com a decisão.

Inscreva-se na TV 247

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui